Skip links

EUA acusam Microsoft de “cascata de erros” que causou ciberataque

A intrusão de hackers chineses nos servidores da Microsoft, que permitiu o acesso aos e-mails de vários altos funcionários norte-americanos, deve-se a uma “cascata de erros evitáveis” por parte da gigante tecnológica, aponta um relatório do Governo dos EUA.

O Conselho de Revisão de Segurança Cibernética (CSRB), liderado pelo Departamento de Segurança Interna dos EUA, conduziu uma investigação de sete meses sobre o incidente que envolveu o ator de espionagem cibernética Storm-0558, afiliado à China.

A operação, descoberta pela primeira vez pelo Departamento de Estado dos EUA em junho de 2023, incluiu a pirataria de e-mails oficiais e pessoais da secretária de Estado do Comércio, Gina Raimondo, e do embaixador dos EUA na China, Nicholas Burns.
A Microsoft fornece serviços de “cloud” (computação remota), como Azure ou Office360, incluindo o armazenamento de dados confidenciais para muitas empresas e governos.
O relatório, divulgado na segunda-feira, critica a cultura corporativa da Microsoft por estar “em desacordo com a posição central da empresa no ecossistema tecnológico e com o nível de confiança que os clientes depositam na empresa”.

“A ‘cloud’ é uma das infraestruturas mais críticas que temos”, sublinhou o presidente do CSRB, Robert Silvers.

“É imperativo que os provedores de serviços em ‘cloud’ priorizem a segurança e a integrem desde o projeto”, acrescentou.

O estudo destacou uma série de decisões operacionais e estratégicas tomadas pela Microsoft que abriram caminho para o ciberataque, incluindo a falha na identificação do computador portátil comprometido de um novo funcionário.

Também descobriu que a Microsoft não cumpriu os padrões de segurança de empresas concorrentes de “cloud”, incluindo Google, Amazon e Oracle.

“A comissão considera que esta intrusão poderia ter sido evitada e nunca deveria ter ocorrido”, pode ler-se no relatório, que destaca “a cascata de erros evitáveis da Microsoft que permitiram que esta intrusão tivesse sucesso”.

O relatório também recomenda que a Microsoft desenvolva e torne público um plano programado para implementar reformas de segurança abrangentes.
O vice-presidente do CSRB, Dmitri Alperovitch, chamou Storm-0558 e outros atores semelhantes de “ameaça persistente e perniciosa” que têm “a capacidade e a intenção de comprometer sistemas de identidade para aceder a dados confidenciais, incluindo e-mails de pessoas de interesse do governo chinês”.


This website uses cookies to improve your web experience.
pt_BRPortuguese